30 de dezembro de 2017

Chapter 1: The Bargain

30 dezembro Escrito por Eliude Santos , , Comente aqui
In the beginning was Chaos. And Chaos made silence before His presence. He propelled into the darkness spreading light all around His majestic figure. But He did not take many steps forward. He gazed grimly at the dark, sad abyss in front of Him. He restrained His splendor on the edge of the precipice, for the great portions of darkness were twisted with dismay down below. He held the wings of His influence as one who holds the reins of a rampant horse in order not to disturb the agitated intelligences.

"Who is this that pervades my domains?" Cried a hoarse voice from one of the portions of darkness that were reluctant against the light of the Creator.

"You know who I am and what I came for, and I know what you want in return. Step forward so that we may negotiate the price." The voice echoed solemnly in the grim abyss.

Out of the darkness, a sinister and disturbing laughter was heard. "What would become of the Architects of the endless universes without the ones who furnish them with the raw stones for their masonry? Oh, the irony of Creation! And the ones that were formerly despised are now magnified after all."

"I have never questioned your importance and role, nor have I come to you to compare greatness." The Creator extended His hand of flesh and bones. But the voice that came from the abyss remained hidden in the darkness.

"After all, you would not jeopardize your respected position!" And the dark smoke came about bragging in thunder and burning flames toward the Creator, who stood silently and serene at the edge of the abyss as He heard him shout to the four winds: "Everyone knows that in between the particles that amount the works of Your hands there is an infinite Chaos of everything and nothing that sustains those particles in their orbit. I am the Lord of Chaos, and none of these intelligences who hear us doubt my greatness."

To which the Creator replied, "One sees what one wants to see; one understands what one wants to understand, and obeys whom one wants to obey. For the beauty of existence is in the freedom to be what one actually intends to be or is able to do so."

At this point a few portions of the reluctant darkness had already yielded to the Creator's light, and Chaos was quieting gradually, which seemed to disturb the voice of the one who spoke from the dark mist. His eyes glittered in fury, and, stepping forward, he presented himself with the haughtiness of a tyrant.

"O foolish and fickle creatures! Keep listening to the soft and delicate voice of this One who lurks on the edge of the abyss and you will have to pay a price too high for the great promises that He will make you. To a gravel He will grant the glory of a castle. And the gravel will smile confidently at such a pompous promise. But when it becomes a humble hut, it will weep for a grandiosity it will never have. You will know sorrow for not having achieved the happiness that was promised to you."

When they heard the words of their master, one by one, the illuminated parts of the abyss faded again. Chaos resumed its dark, shapeless appearance.

An air of disappointment took the face of the Creator. Though He always dealt with the levity of inferior intelligences, the pain of His disappointment was apparent. And it was not that He was surprised by them, for such a reaction was already expected by the All-knowing One. Even so, the pain was there. Perhaps it was the proximity of the abyss.

But, He did not give in. He could not! He stepped forward and held out his bright, white hand in the direction of the Old Serpent, who was frightened, and hid again in the cloud of smoke.

With a choked voice, the Creator turned to the intelligences in disorder, and said, "Do not listen to this debauched creature. For if I tell a gravel that it can become a castle, it is because I know better, and I understand that it is what that gravel must hear from Me so that it ceases to be just a simple gravel and strives for a greater glory. And if it is to become a castle or a hut, it does not depend on my will; but on its free will alone."

And again part of Chaos was quieted and allowed to be illuminated by the influence of the Creator. The dim light took over the abyss, and the darkness receded.

Another laughter was heard. "Freedom is a word that pours a honeyed potion in the ears and hearts of fools. He just mentioned that magic word and the clever intelligences have all allowed themselves to be illuminated by Him again. But, tell them, grandeur Being, what actually means that freedom You have offered them. Have You told those who accepted Your light the price they will have to pay for it? Have you spoken of all the suffering and pain?"

The Creator felt the fear grow in the hearts of the elements in disorder and said, "Do not worry about the price. Just trust in My words and all will be fine with you."

As the Creator spoke, a whirlwind formed around that one which came from the darkness, as if he had already expected such an answer, "He always refuses to present the whole truth at once, for He knows that if He tells you everything that will actually happen, you would not follow Him. Thus He prefers to say that you will be free as long as you act according to every word that comes out of His mouth in order to preserve such freedom. What kind of freedom is that which comes along with reins and whips?"

And when again the elements of Chaos, deceived by the wiles of the Old Serpent, lost the glow they had hitherto permitted to receive, the great Creator lifted up His mantle and sat on the edge of the abyss. The intelligences, occupied in their usual confusion, did not even pay attention to the unusual scene before them.

The Architect of the universe began to sing the most gentle and sublime song. And the music was so beautiful that the melody broke the barriers of darkness and filled the most distant and reluctant recesses of the abyss. The light of the Creator communicated with the light of the intelligences in such a way that they all shone. And at that moment, the light in the abyss exceeded that of the midday sun.

"Come to Me, little ones, and I will make you realize the beauty of the harmony you now embrace. In it you will find true freedom. For if the gravel becomes a castle or a hut, it matters little. The plentitude lies in recognizing the perfection of creation itself. Yes, you will pay a price. And it will be a bitter price, I will not lie to you. However, your suffering will be bittersweet like this song, making darkness tremble before you, for you will see beauty and make it shine in a way Chaos could never grant you."

Light filled the confines of the abyss, and the reluctant parts of the darkness fled before the greatness of the Creator. The Old Serpent could not question the outcome of the bargain. But he promised he would charge the required price.

In the Heavenly Mansion, from the intelligences brought in from the darkness, the first twins were born, surrounded by celestial hosts who sang the triumph of Creation.

Their Mother held them in Her arms, tenderly kissing them, "Because you have always existed, your name will be 'I Am', and because you accepted the light of the Creator and shone in the midst of darkness, you will be called 'Morning Light'".

With tears in His eyes, Her Husband embraced Her happily.

THIS WAS CHAPTER 1 OF THE NOVEL "IN THE BEGINNING WAS THE WORD", BY ELIUDE A SANTOS.
CHAPTER 2 IS STILL BEING TRANSLATED. 
TO ACCESS THE INDEX OF THIS BOOK, PLEASE CLICK HERE.

22 de novembro de 2017

Capítulo 38: A Natureza da Mãe

22 novembro Escrito por Eliude Santos , , 2 comentários
Adão a olhava com admiração e desejo. Para ele, nenhuma dádiva ou conquista mereceria maior apreço. 

Embora ela gostasse de se sentir desejada e admirada, por vezes, se punha inquieta diante das expectativas do esposo.

Também se esforçava para cuidar de seus filhos com grande zelo. Para eles, ela era uma fonte inesgotável de leite e mel. E tão acostumada estava com aqueles olhares famintos e suplicantes, que ela já se antecipava a todos eles.

Era sedutora e afetuosa, provedora e diligente; sob as demandas da ocasião, aguentava calada os infortúnios do dia; apaziguava os corações aflitos; alegrava-se no êxito dos que estavam à sua volta; ocupava-se em detalhes que eram imperceptíveis aos olhos dos demais, e não se gabava por assim fazer.

Quando muito, o que recebia em troca era um olhar de gratidão — olhar esse que agora se tornava cada vez mais escasso, já que todos ali haviam de tal modo se acostumado a tais gentilezas, que, caso não as recebessem prontamente, tomavam o descuido por descaso e exigiam reparação.

Aprendera a ser forte, pois todos esperavam isso dela. No entanto, o pranto havia consumido suas forças e ela se espantava com fragilidades que jamais pensara ter. 

Agora, tudo o que ela precisava era enxergar nos olhos de alguém o mesmo cuidado que sempre tivera — um olhar que visse além do que é feito ou dito. O fato é que sentia falta de uma mãe, de um colo no qual pudesse recostar a cabeça e chorar sem sentir-se vulnerável.

Ela, que sempre cuidara de todos com grande zelo, agora precisava que cuidassem dela. Mas sabendo que ninguém atentaria para aquele seu momento de fragilidade, continuava executando seus labores sem descanso.

Era ela que conduzia os filhos menores pela mão a fim de que dessem seus primeiros passos. Era ela que lhes levantava quando caíam, beijava-lhes os joelhos ensanguentados, e dizia que a dor logo passaria. Era ela que usava ervas e unguentos para banhar os pés dos que voltavam do campo a fim de aliviar-lhes o cansaço. Eram suas palavras mansas que acalmavam os corações daqueles que iam ao seu encontro em busca de consolo.

Mas agora que era o seu coração que estava atribulado; quem o confortaria? Agora que sua mente estava inquieta; quem lhe daria calma? Agora que sua alma se sentia vazia; quem haveria de restaurá-la?

Às vezes, sentava-se à beira do rio olhando para o nada e uma de suas filhas se aproximava, recostava a cabeça em seus seios, e ela deixava escapar uma lágrima sem que a pequena percebesse. 

Outras vezes, irritava-se com tarefas corriqueiras, quebrava cântaros e vasos; e, quando qualquer de seus filhos vinha saber o que tinha acontecido, ela gritava aborrecida e saía de perto. 

Queria que o mundo fizesse silêncio, que os pássaros cessassem seu canto, que o sol não se demorasse tanto no céu. Mas tudo ao seu redor teimava em exalar vida.

Ela havia visto os Criadores com seus próprios olhos e, andando com Eles no Jardim, ouvira diretamente de Seus lábios as palavras vivas que respondiam com clareza as dúvidas mais sagradas daqueles que em algum momento se dão conta de sua própria existência. Sabia de onde viera e o que estava fazendo ali, e aonde iria quando o sopro de vida que comandava seu corpo se desprendesse dele e fosse levado pelo vento para os braços de seu amado filho.

Mas tudo o que sabia não lhe impedia de se incomodar com o fardo pesado que tinha de levar sobre os ombros; com o desconforto, o cansaço, as dores.

Ela olhava para os filhos menores e caía de joelhos em súplica aos Céus para que a levassem antes deles, pois não suportaria a dor de um novo luto.

Mas, ao mesmo tempo, pensava o que lhes sucederia se fosse ela repentinamente tirada de seu meio.

Aquela sensação de impotência diante da fragilidade da vida tirava-lhe o sono e o ânimo.

Ela não costumava subir ao altar. 

Embora compreendesse a necessidade dos sacrifícios, não se agradava no derramamento de sangue. Deixara que seu esposo se encarregasse das ordenanças de redenção.

Com o roubo dos rebanhos, agora nem ele mais subia o monte com tanta frequência. Ocupava seu tempo no cuidado dos poucos novilhos e cordeiros que haviam restado no Vale, a fim de que se multiplicassem e voltassem a encher os pastos. 

Também se ocupava da instrução de seus filhos menores para que crescessem em sabedoria e verdade, e não se deixassem levar por veredas tortuosas como acontecera com os que vieram antes deles.

Tão envolvido estava em seus muitos afazeres que mal percebera a névoa de escuridão que tomava conta da alma de sua esposa.

Quando a noite chegava e eles se deitavam juntos, Adão estranhava que Eva já não lhe recebia com beijos e carícias como sempre fizera. Mas supunha que fosse apenas cansaço. Recostava a cabeça dela em seu peito e dormia.

Ela, sem querer prolongar-se em explicações, confirmava, esperava que ele adormecesse, virava para o lado e procurava dormir.

Mas nem sempre o sono vinha. E quando vinha, sonhava com cordeiros ensanguentados e labaredas nos lugares altos, e acordava assustada.

Num desses sonhos, viu-se correndo por um desfiladeiro com alparcas que não eram suas e um manto que não era seu.

Perturbada com sensações estranhas e lembranças que não eram suas, tropeçou e desceu rolando para uma vala estreita que dava para uma caverna espaçosa, onde símios rodeavam dois espectros desnudos e maltrapilhos, acorrentados a troncos de ébano fincados na rocha igualmente escura. 

Esgueirando-se, aproximou-se dos troncos. 

Sabia que o homem que estava sendo mantido em cativeiro era Abu, seu filho, ainda que não reconhecesse aquele rosto sofrido que parecia implorar por ajuda.

Acordou com um aperto no coração.

Nunca antes tivera um sonho tão vívido.

Ouviu um ruído que tomou todo o vale. Levantou-se apressadamente e correu para o pátio. Adão já estava lá, com arco e flecha, lanças, tacapes e escudos. E seus filhos alinhavam-se atrás dele.

“O que houve?”, perguntou ela assustada.

“Não sabemos.”, disse Adão. “Ao que parece, serpentes aladas espalharam-se pelos arredores.”

No horizonte, sobre a floresta de cedros, criaturas aladas se erguiam contra o sol da manhã com suas gigantescas asas furta-cor.

“O que pensas fazer colocando armas nas mãos de nossos filhos?”, disse Eva assustada.

“Uma ameaça se levanta no horizonte e não posso ficar de braços cruzados esperando que nos ataquem e destruam-nos a todos. Estou apenas defendendo nossa família.”, respondeu Adão.

“Não permitirei que mais sangue inocente seja derramado nesta casa.”, objetou Eva, confrontando seu esposo de um modo que nunca antes fizera.

“O único sangue que há de ser derramado é o daqueles que nos afrontam.”, defendeu-se Adão.

“Todo esse tempo no altar oferecendo holocaustos fez-te insensível à dor dos cordeiros. 

Nenhum sangue deverá ser derramado, nem dos nossos, nem daqueles que se levantam contra nós.” Eva saiu recolhendo as armas de seus filhos pelo acampamento.

Adão veio atrás dela, “Talvez se tu estivesses subindo comigo ao altar para tomares parte em tais holocaustos não terias ficado tão abalada com a morte de nossos primogênitos.”

Eva parou de repente e jogou as armas aos pés do esposo, “Talvez se tu tivesses ido menos ao altar e ficado mais ao lado de teus filhos, nosso primogênito não teria desaparecido, nem tampouco um irmão teria tirado a vida de outro.”

Desta vez, Adão segurou-a pelo braço, “Não te lembras o que nos disse o Filho do Altíssimo, quando Ele mesmo imolou um cordeiro diante de nós sobre o altar que ergui no Éden? Eu estou somente fazendo o que nos foi ordenado por Ele. E instruirei nossos filhos a assim procederem a fim de que não esqueçam do grande sacrifício que o Cordeiro de Deus haverá de fazer por todos nós — um sacrifício que se tornou necessário em decorrência de nossa própria transgressão.”

Em um solavanco, Eva soltou-se das mãos firmes do esposo, “Nossa transgressão foi necessária. Sem sangue correndo em nossas veias, não teríamos nos tornado férteis e jamais teríamos obedecido às leis maiores do Altíssimo. Tua sede de obediência te cega para a essência das leis que recebes.”

“Embora a transgressão fosse necessária, seu preço era a morte.” Queixou-se Adão. “E porque tu comeste do fruto, estamos morrendo todos. Nossa pele está enrugando, nossos olhos ficando fracos, nossos cabelos perdendo o viço e a cor. Logo chegará o tempo em que todos nós desceremos à sepultura.” 

“Não comi do fruto sozinha.” Retrucou Eva, “Se sinto algum pesar pelos efeitos nocivos decorrentes de nossa transgressão; experimento um regozijo ainda maior pelas bênçãos advindas do mesmo ato, de modo que, para sempre bendirei o fruto que fez do meu ventre uma fonte de vida, assim como a transgressão que me deu clareza para enxergar nossa experiência mortal com um olhar divino.

E, chegando o momento, voltaremos ao pó confiantes, pois, como disseste, temos um Salvador que se oferecerá em sacrifício por nós a fim de nos resgatar da morte e ressuscitar nossos corpos em perfeição e esplendor. 

Por isso, compreendo a necessidade do altar e da imolação dos cordeiros. Não disse que deves suspender os sacrifícios. O que espero é que, ao tomar parte de tais cerimônias, sintas a dor da oferenda e sofras com ela a ponto de ouvires, no berro do cordeiro, o clamor de teus filhos.

Se teus rituais são movidos apenas por um senso de obediência, de que te servem? O rito torna-se o fim e não o meio, tomas gosto pela obra do cutelo, e passas a adorar o instrumento de tortura como símbolo de tua fé.

Neste momento, em que te diferes dos torturadores do Cordeiro? No que isto te faz diferente do assassino que com semelhante cutelo, feriu a garganta do próprio irmão?”

“Mas como esperas que eu defenda nossos filhos caso as criaturas aladas que rodeiam o arraial se levantem contra nós?”, perguntou Adão incomodado com as palavras que ouvira.

“Queres defendê-los colocando-os frente à frente com o inimigo?”, indagou Eva.

“Não te lembras que o Criador nos deu ordem de exercermos domínio sobre todas as criaturas viventes?” esbravejou Adão.

“Exercer domínio não é o mesmo que exercer controle.” Corrigiu Eva, “Não fazemos parte dos domínios do Criador porque Ele exerce Sua força sobre-humana sobre nós e nos obriga a fazermos Sua vontade ou a nos subjugarmos a ela; fazemos parte de Seus domínios porque escolhemos assim fazê-lo.

Exercer domínio é inspirar admiração e respeito.

Se temes um ataque inimigo, já perdeste qualquer domínio que pensavas ter sobre eles.”

“Como inspirar obediência em criaturas selvagens como estas?” Clamou Adão. “Armados com garras e dentes afiados, andam em bandos e à espreita, prontos para descerem sobre nós com grande violência. Não há segurança alguma no Vale, e muito menos fora dele. Cercados, tornamo-nos prisioneiros em nossa própria casa. Precisamos responder a esta ameaça com rapidez, antes que eles ganhem ainda maior força.”

“E pretendes responder a esta violência usando nossos filhos como carrascos de seus ofensores? Estes são os valores que queres que eles espalhem para as gerações que haverão de vir? 

Nunca paraste para considerar as razões pelas quais esses animais já não falam mais conosco? Será que foram eles que perderam esta habilidade ou nós que esquecemos como se dava nossa comunicação antes da queda? Afinal, o que faz um leão ter-se tornado tão diferente de um bichano; ou um lobo, de um cordeiro? Por que uns ouvem a nossa voz, enquanto outros escondem-se de nós ou aprontam-se para atacar-nos com tamanha ferocidade?”

“Decerto que pararam de falar conosco porque são obstinados.” Queixou-se Adão. “Nunca lhes fizemos mal algum.” 

“Nossas línguas foram confundidas; e, por não haver diálogo, há contenda.” Explicou Eva. “Não há um modo fácil de resolver este conflito. Agora que ele já se estabeleceu entre nós, um dos lados precisará mostrar-se razoável em suas respostas às investidas do outro.

A violência é fruto do medo. Quantos zizes ariscos já não cederam ao teu comando quando perceberam que não lhes farias mal algum? Em que são os zizes diferentes destas criaturas aladas que nos rodeiam?

Se te levantares com armas e escudos contra estes que estão perdidos na escuridão de sua ignorância, só alimentarás ainda mais o seu medo e a nossa insegurança.”

“O que sugeres que eu faça?” Perguntou Adão, confuso.

“Tua mente está tomada pelo medo e insegurança, meu querido. Sem estas espadas e escudos, o que seria de teu exército? Afinal, o que podem cinquenta espadas contra quinhentas mandíbulas afiadas e famintas?”

Eva tomou um laço e, com a ajuda de uma grande lança, subiu nos lombos de um dos beremoths que pastavam à entrada do arraial.

A despeito das súplicas do esposo para que se detivesse, ela seguiu na direção do bosque de ciprestes montada na gigantesca criatura.

Adão tentou impedi-la, mas ela gritou-lhe lá de cima que ele colocaria a todos em risco se não confiasse nela.

Eva seguiu caminho. 

As asas dos dragões cobriam o sol e faziam o pó levantar-se em torvelinho sobre ela.

Eva derramava copiosas lágrimas e acariciava o pescoço da besta que, ao lado de curelons e cumons, ajudara Adão a erguer suas grandes construções, à semelhança daqueles monumentais edifícios que ele via do Éden nos lombos dos grandes pássaros.

À uma distância segura, Eva ergueu-se sobre os lombos do beremoth e falou, sem saber ao certo se seria compreendida pelas bestas que se amontoavam à sua frente, “A morte é assustadora; mas ainda mais assustadora é a vida. Por isso, entendo o vosso medo e confesso-vos o meu. No entanto, como muitas de vós, sou mãe, e a maternidade dá-nos uma força que não sabemos de onde vem, uma coragem que é maior que nosso medo e que sufoca nossos sentidos. 

Não é como a coragem dos homens, que se esconde atrás de armas e escudos. É uma coragem de dentes e de unhas, um olhar certeiro como o de uma ave de rapina.

E é com esta coragem que me apresento diante de vós, para pedir o vosso perdão. Afinal, é mais corajoso quem se humilha diante da própria fraqueza a ponto de entender a fraqueza do outro, do que aquele que fere covardemente quem lhe ameaça a fim de alimentar uma falsa ideia de fortaleza.

A terra é nossa e produz em abundância.

Se falhamos em vosso cuidado ao ponto de que já não nos conheceis nem reconheceis a nossa voz, seja esta a nossa oferta de redenção. Aceitai, portanto, este sacrifício como o primeiro passo para uma oferta de paz.”

Eva ergueu a lança e cravou-a no pescoço do beremoth, que deu um rugido que estremeceu todo o bosque. Seus joelhos fraquejaram e ele tombou, derrubando-a de sobre os seus lombos.

Ela desceu rolando uma ribanceira enquanto as serpentes aladas e as bestas do campo lançaram-se sobre a carcaça da gigantesca criatura.


20 de agosto de 2017

Capítulo 37: Novos Inícios

20 agosto Escrito por Eliude Santos , , 2 comentários
“Filho de Adão, aproxima-te para que te veja.” Disse eu, à entrada do nosocômio.

Abel levantou-se do leito coberto em linho branco e veio ao meu encontro.

“És Udiel, o contador de histórias?” Perguntou-me curioso.

“Sim, sou Udiel. No entanto, cabe-me mais o título de ouvidor de relatos do que o de contador de histórias. Não te lembras de mim?” Perguntei, já sabendo de antemão a sua resposta.

“Perdoe-me, meu senhor, mas já nos vimos antes?” Indagou-me o pastor. “Não me recordo de haver conhecido outros homens além daqueles de minha casa. De fato, julgávamo-nos os únicos de nossa espécie até que o filho das águas e sua irmã foram, pela providência divina, trazidos ao nosso convívio a fim de que nossa semente se espalhasse pela Terra.

A propósito, não posso demorar-me em vosso meio, pois hoje é o dia de minhas bodas e Nod aguarda a minha chegada no arraial para que a despose.”

“É assombroso o efeito do Véu!” Exclamei em voz alta, mesmo sabendo que ele não entenderia a natureza daquela interjeição. “Diz-me, filho de Adão, se vasculhasses em tua mente os registros de tua primeira infância, qual seria a lembrança mais antiga que encontrarias? Quando exatamente percebeste que existias?”

“Lembro-me vagamente dos dias de minha primeira infância, meu senhor. Não consigo recordar exatamente do momento em que tomei consciência de minha existência.” Respondeu Abel. “É como se eu sempre tivesse existido. Ainda assim, sei que meus pais já existiam antes de mim. E eu mesmo já existia antes das experiências mais antigas das quais consigo de fato me lembrar.”

“E não é isto a vida: uma poderosa sensação de existência, ainda que não saibamos quando exatamente ela começou, ou quando terá de fato um fim?

No entanto, se a tua consciência fosse, por alguma disfunção de tuas faculdades, embotada a ponto de não te lembrares o que acabaste de me dizer, o que pensarias de tua vida?”

“Imagino que não havendo lembrança, o pensamento não se concluiria e a mente vagaria perdida entre uma e outra imagem sem saber exatamente aonde chegar. A vida seria um sonho confuso e, por vezes, angustiante.

Sendo acometido de tal letargia, decerto que nem pensaria estar vivo. Não tendo consciência da vida, não poderia sequer reconhecer a morte.”

“Sim, nada é mais letárgico que o esquecimento, e ele acomete a todos. A não ser que registros sejam mantidos, tudo se perde tão facilmente. As memórias são, afinal, nosso bem mais precioso.”

“Mantemos registro de todas as coisas no arraial. Nosso pai nos ensinou desde cedo a importância de cultivarmos nossas memórias para que, instruindo-nos a partir das experiências uns dos outros, sejamos abundantes em boas obras.”

“Fez bem. Vê-se que és um homem bem instruído.”

“Esforço-me para sê-lo, afinal, a instrução afeta nossa percepção da vida e, consequentemente, o modo como reagimos às experiências que ela nos reserva.”

“Em verdade, é a memória de tais instruções que o faz.” Corrigi-o.

“Sim, a memória de tais instruções.”

“E minha tarefa é coletá-las.” Acrescentei.

“Das tarefas, a mais nobre, meu senhor; afinal, coletar memórias é manter acesa a chama da existência.”

“És um homem admirável, Abel. Certamente alargarás o caminho e clarearás os passos dos muitos que vierem depois de ti. Serás a luz que muitos buscarão na escuridão.

Como estão os teus ferimentos?”

“Estou bem.” Disse ele. “Sabes que caminho tenho que tomar para voltar à casa de meus pais?”

“Não estamos muito longe do vale. Levo-te lá logo mais.”

“Disseram-me que haveriam festividades em vossa casa. Diz-me o caminho e seguirei sozinho, não quero privar-te de teus afazeres.”

“Sim. Hoje é um dia grandioso. Mas não te preocupes, cada um celebra este dia a seu modo.”

“O que celebrais?”

“Celebramos a vida seguindo seu curso.”

“Ficaria de bom grado para as festividades, afinal, sou muito grato por tudo que aqui foi feito por mim. Nunca vesti roupas tão brancas ou deitei em um leito tão confortável. Nunca vi tantas luzes nem tantos maquinários tão meticulosamente forjados, nem decorações e mobília esculpidas e dispostas com tamanha perfeição. Devo confessar-te que me é penoso partir.”

“Tudo o que fazemos, fazemos com esmero.”

“Decerto que sim.”

Eu, Udiel, conduzi-o a uma das fontes que decoravam o jardim do nosocômio, donde corria um veio que descia por uma escadaria de pedras perfumadas que dava para um denso bosque ao sul dali.

“Segue este veio e encontrarás o vale donde vieste.”

Despedi-me de Abel e ele seguiu caminho.

Pedi a um dos arcanjos que servia ao meu lado que o acompanhasse de longe e voltasse com um relato de sua jornada.

Abel seguiu a corredeira sem dar-se conta que seus pés não tocavam o chão. Estava tão alheio à sua nova condição que nem estranhava o fato de que os cardos do caminho já não lhe feriam.

Tampouco estranharia se a porta de um dos salões da grande cidade de Havillah dessem para um dos aposentos da casa de seu pai.

Naquele estado quase letárgico em que se encontrava, tudo lhe parecia natural.

Havia deixado o mundo dos viventes há muito tempo. No entanto, para ele, era como se não houvesse transcorrido tempo algum e ainda cria ser aquele o dia de suas bodas.

De fato, presente, passado e futuro haviam-se tornado, sem que ele disso se desse conta, apenas diferentes frequências de existência naquele seu novo estado. De modo que poderia, atravessando as paredes do tempo, descer rumo às profundezas do abismo quando a Terra era somente um mar de fogo e enxofre onde as estrelas caídas choravam seu exílio; ou subir ao topo dos montes da dispensação da plenitude dos tempos quando a engenhosidade dos filhos dos homens haveria de se assemelhar a dos arcanjos criadores.

No entanto, estava tão apegado àquele tempo, que, no caminho de volta ao arraial, por pouco pensou ter visto a si mesmo sendo escoltado por seu irmão Caim para o lugar de seu abate.

Confuso diante daquela visão, correu na direção dos dois espectros, que sumiram na névoa branca daqueles Campos Elíseos.

Depois de algum tempo, ele já nem se lembrava atrás do que estava correndo. Foi quando deu de cara com um exército de símios e bestas selvagens, liderados por dragões e serpentes que pareciam ir na direção do arraial.

Ele se pôs diante deles e ordenou-lhes que parassem, mas as hostes enfurecidas sumiram ao seu comando, como que se dissipando naquela névoa láctea e espessa.

Ele olhou ao redor, e viu um grande dragão levantar-se das águas diante dele.

Lembrou-se das histórias de seu pai e soube que aquele era Kundalini. Suas asas estavam dilaceradas e muitas de suas escamas pareciam ter sido perfuradas por garras afiadas.

Com violência, o dragão bateu sua cauda contra o chão e ergueu-se imponente em posição de ataque.

Abel tremeu diante daquela figura assustadora.

Kundalini aproximou suas narinas, fungando e exalando um ar pútrido e quente que, por um instante, petrificou o filho de Adão.

O dragão, no entanto, parecia não conseguir enxergá-lo, ainda que se mostrasse profundamente incomodado com sua presença.

Abel pensou que talvez aqueles gigantescos olhos cor de fogo que avidamente procuravam por ele tivessem perdido a capacidade de enxergar. Isto, no entanto, não impediria a besta enfurecida de abocanhá-lo e devorá-lo ali mesmo.

Movido pelo medo, cobriu o rosto e encolheu-se esperando o bote.

Quando voltou a abri-los, o dragão já não estava mais lá.

Abel se levantou e continuou seguindo a corredeira que se alargava à medida que se aproximava do arraial.

Ouviu passos e correu por entre as árvores do bosque. Viu seu irmão Caim que parecia subir um monte íngreme e pedregoso mais adiante.

Tentou acompanhá-lo para alertá-lo contra a ameaça do dragão que avistara a caminho do Vale.

Caim, no entanto, parecia ignorá-lo.

Abel ouviu uma outra voz.

Quando finalmente chegou ao topo do monte, seu irmão, Caim, estava ajoelhado diante de um belo homem trajado com vestes negras e elegantes que lhe dizia, “Levantarei para ti uma grande nação, de modo que os filhos de Adão viajarão grandes distâncias para provarem dos teus manjares e para conhecerem as majestosas construções que erguerás em nome do Altíssimo. E tu cobrarás altos tributos a todos que entrarem em teus domínios, exceto àqueles que se ajuramentarem contigo para participarem deste grande segredo.

Farás para ti um trono e nele te sentarás para deliberares sobre os atos daqueles que te servem. Com pulso firme, serás um bom regente aos olhos de teu povo. Mas cabe àquele que porta o cetro da justiça não ser bom todo o tempo, pois a justiça só existe na oposição, de modo que só há paz se houver guerra; só há lucro se houver extorsão; só há conquista se houver opressão.

Diante dos homens, sempre honrarás com tua palavra, que é teu bem mais precioso. Se ensinares aos teus súditos os princípios de lealdade e fores um exemplo público de tuas palavras, todos confiarão em ti. Com astúcia, te aproveitarás desta confiança em teu próprio benefício, nem que isto exija sacrifícios e vilipêndios feitos à calada da noite, longe dos olhos daqueles que te apoiam.

Não questionarás se estás certo ou errado, pois saberás, pelos frutos de tuas obras, que estás certo, pois grande será o teu êxito.”

Abel assombrou-se diante daquilo que ouviu, e sem que os dois percebessem, correu na direção do Vale, descendo pelas encostas do que pensou ser o Monte dos Sacrifícios para alertar seu pai contra os apuros que corriam todos no arraial.

Na pressa, tropeçou e desceu rolando para uma vala estreita que dava para uma caverna espaçosa, onde símios diferentes daqueles que vira com o dragão rodeavam dois espectros desnudos e maltrapilhos, acorrentados a troncos de ébano fincados na rocha igualmente escura.

Esgueirando-se, aproximou-se dos troncos.

O homem que estava sendo mantido em cativeiro era Abu, seu irmão. Abel não sabia se ficava feliz em descobrir que o pastor não fora devorado pelas bestas selvagens, como os de sua casa já tinham por certo que tivesse acontecido; ou se enchia-se de tristeza diante daquela aflição horrenda que ora testemunhava.

Num repente, muniu-se de algumas pedras e levantou-se com grande ira de seu esconderijo a fim de socorrer a seu irmão. Mas bateu a cabeça contra o teto da caverna que, de tão baixo, obrigava todos a andarem curvados.

A batida forte fez com que desfalecesse e caísse por terra.

Ao levantar-se, viu que a gruta se enchera de luz e gravações espalhavam-se pelas paredes. Passou os dedos pelos veios da rocha, ainda tentando manter-se de pé, quando ouviu uma voz que lhe era muito familiar.

Virou-se para ver de onde vinha o som e viu Nod, amamentando duas crianças de colo. Aproximou-se dela confuso diante de tudo o que vira e ouvira.

“Nod, onde está nosso pai? Hostes de símios raptaram nosso irmão Abu e marcham em direção ao Vale sob o comando de Kundalini, a serpente do Jardim. Uma grande desgraça está para se abater entre os filhos dos homens.”

Nod, no entanto, não se movera diante de suas palavras.

Uma das crianças estendeu-lhe a mão, e ele tocou os dedos minúsculos do infante, que sorriu para ele. Por um instante, Abel sentiu uma profunda paz.

Ao olhar para Nod, ela não estava mais lá, nem os infantes, nem as paredes decoradas da caverna. Tudo havia sido novamente tragado por aquela névoa densa e sufocante que agora o envolvia.

Ouviu passos novamente.

Aquele homem de vestes negras que vira há pouco conversando com seu irmão surgiu diante dele.

“Ave, Abel.”

“O quê?”

“Apenas um cumprimento que logo há de se tornar muito comum entre os homens.”

“Quem és tu?”

“Sou Lúcifer, o filho da Manhã.”

“És o demônio que tentou meus pais no Paraíso?”

“Sou, na verdade, o anjo que os ajudou a cortar os grilhões que os prendiam àquela bela gaiola.”

“Afasta-te de mim.”

“Não fosse por mim, nem terias nascido. A humanidade é mesmo um poço de ingratidão.”

“O que querias com o meu irmão?”

“Com qual deles?”

“Caim. Vi-te falando com ele agora há pouco.”

“Neste lugar onde estamos tu e eu, ‘agora há pouco’ é um tempo que não existe.”

“Que lugar é este?”

“Não te disseram?” Lúcifer caiu na gargalhada.

“Do que ris?”

Naquele instante, Abel pareceu notar o que lhe sucedera e sentiu um estupor de pensamentos, como se fosse tragado para um poço escuro e profundo dentro de si.

Abel esforçou-se para se mover, mas seus pés não lhe obedeciam. Tampouco sua garganta acatava sua vontade de gritar por socorro.

Ele percebeu que seu calcanhar não tocava o chão. Seu corpo parecia ser puxado na direção de uma luz incandescente.

À medida que sentia o calor daquela luz aproximar-se, seu coração acalmava-se.

Um personagem no centro da luz aproximou-se dele e estendeu-lhe a mão. Seu rosto, ofuscado pela luz forte, não lhe parecia ter feição alguma.

O personagem o abraçou e ele pôs-se a chorar.

“Não chores, Meu filho. Este é o dia de teus novos inícios. E uma obra grandiosa há de ser executada através de ti, e daqueles que te seguirem.”

“Senhor, meus pais precisam de mim. Quem conduzirá os seus rebanhos?”

“Teus rebanhos serão todos os homens da Terra, e tu irás atrás deles quando vierem para este lado do Véu. Muitos se deixarão ludibriar pelas artimanhas dos filhos de Perdição, mas teu é o dever de conduzi-los das trevas para a luz.”

O personagem de luz sumiu e Abel viu-se novamente no bosque, às margens da corredeira.

Ele virou-se e seguiu de volta à fonte do nosocômio de onde havia partido.